FILARMÔNICA LIRA GUARANY

Ata da sessão de fundação da Filarmônica Lira Guarany, ocorrida em 15 de novembro de 1922:

“Aos quinze dias do mês de novembro de 1922, nesta cidade de Cruz das Almas, às dezoito horas e trinta minutos, na residência do senhor Cizino de Oliveira Cintra sai à rua da Vitória, reuniram-se os senhores: Cizino de Oliveira Cintra, Antônio Cruz, João Teotônio de Almeida, Serafim dos Santos, Joaquim Pereira Leite, Egidio Queiroz e um grande número de amigos do senhor Cizino Cintra. Após breve palestra do senhor Cizino Cintra, fazendo ver a todos os presentes os motivos da reunião, foi convidado o senhor Joaquim Pereira Leite para presidir a assembléia geral. O senhor Joaquim agradeceu a escolha de seu nome para presidir aquela memorável sessão, propôs a todos os presentes que proclamassem Nossa Senhora da Conceição Padroeira daquela Filarmônica que estava sendo criada a partir daquele instante, no que foi aceito por todos os presentes. Logo em seguida foi franqueada a palavra a fim de ser escolhido o nome da nova filarmônica. Foram apresentados vários nomes. Depois de muita discussão o senhor Cizino Cintra pediu a palavra e fez a seguinte explanação: “Meus senhores, já que o nosso grupo musical vem atuando como Grupo Guarany sugiro a todos que a nossa filarmônica que acaba de nascer se chame Sociedade Filarmónica Lira Guarany”. Pela sua idéia o senhor Cizino foi aplaudido de pé por todos os presentes àquela memorável noite. A seguir foram escolhidos os nomes para formarem a primeira diretoria, sendo proclamado presidente e regente da nova filarmônica o senhor Cizino de Oliveira Cintra, vice presidente o senhor João Teotônio, secretário Joaquim Pereira Leite, tesoureiro Antonio Oliveira. A seguir o senhor Cizino Cintra agradeceu a escolha do seu nome para presidir a filarmônica que acabava de nascer e pediu a todos muito trabalho para que a nova filarmônica não perecesse, mas crescesse rapidamente para suplantar a filarmônica já existente na cidade. E não ocorrendo mais nada o senhor Joaquim depois de pedir a união de todos, deu por encerrada a Sessão a qual, eu Serafim dos Santos, tive a honra de servir de secretário e lavrei a presente ata que será por mim e por todos assinada. Cruz das Almas, 15 de novembro de 1922.
Serafim dos Santos
Cizino de Oliveira Cintra
Joaquim Pereira Leite
Antônio Oliveira Cruz
Antônio das Neves
João F. de Almeida
Egidio Queiroz
Gregorio Caldas
Antonio B. Oliveira
Maximiano Santos
Serafim Barboza
Antônio Conceição
Otacillio Queiroz.”

Cizino de Oliveira Cintra

ZACARIAS BAPTISTA DE MAGALHÃES

Zacarias Baptista de Magalhães, um dos pioneiros donos de terras em Cruz das Almas e antigo senhor do Engenho da Lagoa e da Fazenda Umbaubeira.

Foi casado com D. Lorena, filha do fazendeiro Possidônio Costa e com ela teve apenas uma filha. Mais tarde, depois de viúva, D. Lorena casou-se com Mateus Ilarião Santana (que é avô do escritor Alino Matta Santana).

Zacarias Baptista de Magalhães era parente do Cel. José Baptista da Fonseca, o Cazuzinha.

(FONTE: a foto e as informações foram gentilmente cedidas por Rafael Costa e por Lorena Rocha Magalhães, descendentes da família Baptista de Magalhães.)

A VISITA DO DEPUTADO E A “INAUGURAÇÃO DE NOVAS RUAS”, NA VILA DE CRUZ DAS ALMAS, EM 1913.

Em linguagem telegráfica e, ao mesmo tempo, laudatória, o jornal soteropolitano “Gazeta de Notícias”, na edição de 23/09/1913, noticia a visita à Vila de Cruz das Almas do deputado Ubaldino Assis, “eminente chefe [do] segundo districto”, que teria sido recebido na estação ferroviária “por mais de seiscentos cavalheiros e pela banda [de música] 5 de Março” e, na Rua da entrada da Vila, por “grande massa popular [e] extraordinário número de senhoras e senhoritas sob chuva de flores”.
A matéria continua com a descrição dos rapapés – que deveriam ser comuns nestes tipos de eventos naquela época -, registrando, em seguida, que foram “inauguradas novas ruas”, com os nomes de Dr. Seabra (o então governador do Estado) e Dr. Ubaldino Assis (o próprio deputado visitante). Parece-me que a rua Dr. Seabra (rua dos Poções) mantém a designação recebida na “inauguração”. E quanto à rua designada como Dr. Ubaldino Assis, continua com o nome que recebeu em 1913? Em caso negativo, alguém sabe como se chama hoje?

(FONTE: João Nascimento in Facebook)