AS BANDEIRANTES E OS ESCOTEIROS

VOCÊ SABIA QUE…
Em Cruz das Almas, em 1951 o Movimento Bandeirante, formado só por garotas, antecedeu o Grupo de Escoteiros, criado em 1953, formado majoritariamente por garotos?

(FONTES: JORNAL NOSSA TERRA (1955/1956); HISTÓRIA DE CRUZ DAS ALMAS de MÁRIO PINTO DA CUNHA (1959)

TROLE ou TRÓLER

Era um tipo de carrinho usado na manutenção das linhas de trem. A relação com os cruzalmenses é que, me contaram, fazia a alegria de muitos garotos que brincavam nos troles, pongados sobre eles nos trechos da Mata de Cazuzinha, em frente ao antigo IBF e até a estação da Coplan.😄

PERSONALIDADES DA EDUCAÇÃO CRUZALMENSE

Certamente você já deve ter ouvido falar de Mata Pereira e Rozentina Marques. Mas, além de nomes de ruas, você sabe quem realmente foram eles?


O Professor Pedro Augusto da Mata Pereira e a Professora D. Maria Rozentina Marques foram oficialmente os educadores responsáveis pela chamada Instrucção Pública na sede da Villa de Cruz das Almas, lá pelos idos de 1900. Ele pela turma masculina e ela pela turma feminina.

WALTER SIQUEIRA, O REI DAS CHARADAS

Walter Siqueira Santos nasceu em Saubara no ano de 1921, mas morou em Cruz das Almas por uma vida, onde constituiu a sua familia, estudou, trabalhou e muito contribuiu para a nossa sociedade. Era um homem muito inteligente, muito culto, que lia bastante. Escrevia e publicava no Jornal Nossa Terra, Jornal A Tarde, Revista Cruzeiro e Revista A Cigarra, isso lá pelos idos dos anos 50. Walter Siqueira, na sua coluna literária do Jornal Nossa Terra, assinava usando o pseudônimo de Matuto Cruzalmense; era considerado o Rei do Logogrifo (charada), chegando a Campeão Brasileiro de Charadismo, esse tipo de desafio literário fazia parte da publicação de quase todos os jornais brasileiros. Em Cruz das Almas foi professor, escrivão e secretário da Câmara Municipal. Uma interessante curiosidade é que Walter Siqueira, já de idade avançada, foi estudar Contabilidade no Colégio Cruz das Almas. E lá, tendo como um dos professores o seu amigo Hermes Peixoto, que era bem mais jovem que ele, diga-se de passagem, mas o já conhecia desde os tempos do Nossa Terra. Hermes Peixoto, conhecendo também a inteligência do agora aluno, perguntou-lhe: – Por que você não faz o Curso de Direito? Walter Siqueira tomou por conselho a provocação do mestre amigo e fez mesmo o curso, chegando a atuar na cidade como tal profissional.
Faleceu em Salvador, em 2002.

FONTE: Informações e foto do jornal Nossa Terra gentilmente cedidas por Hermes Peixoto. Foto de Walter Siqueira: disponível em CRUZ DAS ALMAS -FOTOS ANTIGAS in Facebook

ANTIGA ESTAÇÃO FERROVIÁRIA

Estação Cruz2

A Estação de Pombal foi aberta pela E. F. Central da Bahia na sua linha principal, em 1881. Mais tarde o nome foi alterado para Cruz das Almas. Desta estação, que ficava a 6 km do centro do município, deveria sair uma variante que uniria a linha à estação de Santa Teresinha, na mesma linha, atravessando o rio Paraguassu mais para o sul, eliminando o gargalo da ponte entre Cachoeira e São Félix. Esse era o projeto dos anos 1960, que nunca foi construído. Ferroviários da região dizem que a estação recebeu muito cimento vindo de Minas Gerais por via ferroviária nos anos 1970. Ela fica próxima da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia, que é situada na entrada rodoviária antiga da cidade. A partir de 1970, a lista de estações no Guia Levi já não mostra a estação de Cruz das Almas, mas sim uma estação chamada de Eng. E. Macedo, comumente chamada de Eurico Macedo, que é a mesma – a falta de documentação não permite a confirmação, mas o prédio tem arquitetura dos anos 1930 e o fato de ter sido construída uma nova estação mais próxima à cidade também com o nome da cidade (na linha de Santo Antonio de Jesus, aberta no final dos anos 1950 e erradicada em 1964) levam à quase certeza que a estação mais afastada tenha trocado o nome. “Dá medo visitar a estação Eurico Macedo, é um lugar isolado, não existe absolutamente ninguém; para andar na linha, só quando se acha alguém do lugar que sabe exatamente onde ela fica. Passei em lugares em que mal cabe o trem, não tem vias marginais, só mato e trilho, e se o trem passar no momento exato, aí complica” (Roosevelt Reis)

Conta-nos Geraldo Almeida Souza… “a Estação de Pombal, também conhecida como estação velha. Está viva na minha memória o deslumbramento de criança ao ouvir o apito da maria fumaça e o seu despontar bufando os vapores da caldeira. Tinha uma pequena vila ao seu redor com casas de funcionários da ferrovia. No pátio os vendedores de amendoim, laranja, cocadas e outros alimentos comercializados com os passageiros. Essa lembrança é da década de cinquenta o que prova que o nosso cérebro é um fantástico computador.”

(FONTES: Lorena Silva Santos; Roosevelt Reis; Cyro Deocleciano R. Pessoa Jr.: Estradas de Ferro do Brazil, 1886; A Leste Brasileiro e o Desenvolvimento Econômico da Bahia, 1960; IBGE: Enciclopédia dos Municípios Brasileiros, vol. XX, 1958; Guia Geral das Estradas de Ferro, 1960; Mapa – acervo R. M. Giesbrecht, via http://www.estacoesferroviarias.com.br/ba_monte%20azul/cruzalmas.htm )

LEI AUTORIZA TELÉGRAFO EM CRUZ DAS ALMAS

Fixa a Despeza Geral da Republica dos Estados Unidos do Brasil para o exercicio de 1923

Art. 97. Fica o Governo autorizado:

XXXIII- A, dentro dos limites expressos na consignação respectiva, executar os seguintes serviços, preferindo entre os mesmos aquelles que, a juizo dos orgãos technicos da administração, forem considerados mais urgentes: prolongamentos ou ramaes ou linhas telegraphioas – a de Lavras a Carmo, passando por Villa Nepomuceno, Tres Pontas e Dores da Boa Esperança; a de Cambuquira a Lavras, passando por Tres Corações, Carmo, Cachoeira e S. João Nepomuceno, no Estado de Minas Geraes; a de Santa Rita a Jatahy; as de Axirá a Miritiba, Itapicurá a Burity, passando por Vargem Grande e Chapadinha; Brejo a Santa Quiteria, Biachão a Victoria do Alto Parnahyba, e Pinheiro a Santa Helena, no Estado do Maranhão, a que deve servir a Aracy, Tucano, Pombal, Cicero Dantas e Geremoabo, a de Ituassú a bom Jesus dos Meiras, de Carinhanha a Santa Maria da Victoria, dahi a Correntina, de Ituassú a Conquista e do Rio Branco a Macahubas, de Barra do Rio de Contas a Itapura, de Capivary a Baixa Grande, de Nazareth a Jaguaripe, de Capivary a Orobó, de Cruz das Almas a Conceição do Almeida, no Estado da Bahia; de Porto Calvo a Leopoldina, de Porto Calvo a Porto das Pedras; de Camaragibe a S. Miguel dos Milagres; de Pão de Assucar a Bello Monte, de Traipú a Porto Real de Collegio, passando por São Braz, no Estado de Alagôas; da cidade de Tubarão, a S. Joaquim da Costa da Serra, no Estado de Santa Catharina: e de Tres Lagôas a Sant’Anna do Paranahyba, no Estado de Matto Grosso; e da estação de Correntes, no mesmo Estado, á Santa Rita do Araguaya.

Rio de Janeiro, 6 de janeiro de 1923, 102º da Independencia e 35º da Republica.

ARTHUR DA SILVA BERNARDES
R. A. Sampaio Vidal

FONTE:

  • Coleção de Leis do Brasil – 7/1/1923, Página 10 Vol. 1 (Publicação Original)
  • Diário Oficial da União – Seção 1 – 7/1/1923, Página 568 (Publicação Original)

PERÍODO DA INTENDÊNCIA MUNICIPAL

O PAÇO MUNICIPAL

Sabia que Cruz das Almas teve 7 intendentes municipais, que era o cargo equivalente ao do prefeito como hoje conhecemos? O período da Intendência em Cruz das Almas teve 8 mandatos, a saber:

·Cônego Antonio da Silveira Franca (eleito em 1897);

·Cônego Antonio da Silveira Franca (reeleito em 1899);

·Comendador Themístocles da Rocha Passos (eleito em 1901);

·Major Alberto Veloso da Rocha Passos (eleito em 1903);

·Coronel José Lino de Queiroz (eleito em 1907);

·Coronel Januário Rodrigues Velame (eleito em 1909);

·Coronel Trajano Andrade (eleito em 1912); e,

·Dr. Luiz Eloy Passos (eleito em 1929), que foi o último intendente da República Velha, visto que, no Brasil, a figura do intendente municipal existiu até 1930.

A HISTÓRIA DAS PREFEITURAS: A instituição da prefeitura e de seu encarregado maior, o “prefeito”, é algo relativamente novo na história do Brasil. O poder hoje exercido pela prefeitura foi anteriormente exercido pela câmara municipal, pelo conselho de intendência e pela intendência municipal. O Brasil conta, hoje, com 5.570 prefeituras espalhadas por municípios dos 26 Estados do país, além do Distrito Federal. Os municípios são uma circunscrição territorial dotada de personalidade jurídica e com certa autonomia administrativa, sendo as menores unidades autônomas da Federação. Uma prefeitura é a sede do poder executivo do município. Esta é comandada por um prefeito e dividida em secretarias municipais, como educação, saúde ou meio ambiente, por exemplo. O termo prefeitura também pode designar o prédio onde está instalada a sede do governo municipal, também chamado de paço municipal, onde geralmente se localiza o gabinete do prefeito.

A “NEVE” DA SUMAÚMA

Nesta época do ano, quem passa pelo Parque Sumaúma vê que o chão naquela área está coberto por uma penugem branca, uns chumaços que lembram algodão. É que a grande árvore Sumaúma (aquela que Dr. Lauro Passos ganhou de presente de aniversário) está dispersando suas sementes envoltas em paina, uma fibra fina e sedosa que, levada pelo vento, espalha-se mundo afora.

Contam os mais velhos que esta paina, antigamente, era aproveitada para preenchimento de travesseiros, de almofadas e de pequenas bonecas de pano.