A PROCISSÃO DO CEAT

O Colégio Alberto Tôrres desde sua fundação manteve estreita ligação com a Igreja Católica da cidade, que tem como padroeira Nossa Senhora do Bom Sucesso. As novenas marianas do mês de maio contavam com a presença obrigatória de todos os estudantes, que, independente de vinculações com outras religiões ou de não professar nenhuma religião, tinham que ser fazer presentes.
No dia 13 de maio, a imagem de Nossa Senhora de Fátima, padroeira do Colégio, era levada em procissão para a Igreja Matriz. A imagem de Nossa Senhora de Fátima reside há décadas no pátio da escola que, em diversas ocasiões foi transformado em templo católico, acolhendo celebrações católicas. “O que poderei dizer-te, Excelsa Rainha e Senhora, nesta mensagem que Te dirijo em nome do Ginásio “Alberto Torres”, ao receber-Te triunfalmente na peregrinação que realizas pelos bairros dessa cidade que Te recebem cantando hinos em Teu louvor” escreve Clodoaldo Gomes da Costa em Poeira da Gleba sobre a procissão que acontece desde a fundação da escola em 1948 e se manteve até a década de 90.

(FONTE: RAFAEL DE JESUS SOUZA. RITOS, VULTOS E SÍMBOLOS: A EDUCAÇÃO PARA O CIVISMO NO COLÉGIO ALBERTO TORRES EM CRUZ DAS ALMAS, BA (1948-1985. SALVADOR 2019)

Publicado por

Edisandro Barbosa Bingre

Escritor, poeta, pesquisador memorialista e almanaquista. Agraciado em 2020 com o Título de Cidadão Cruzalmense pela Câmara de Vereadores de Cruz das Almas, Bahia.